Conceitos. A correção de uma injustiça.

Fonte: http://www.marketearporluisgrottera.blogspot.com/

Recentemente estive em Lisboa, onde fui conhecer a BRANDIA CENTRAL, uma Consultoria de Branding. Trata-se de uma das mais competentes e criativas agências desse setor e top 10 do mercado europeu. O mercado de Branding tem uma predominância das agências inglesas.

O trabalho, a metodologia e os processos de trabalho da BRANDIA me encantaram. E vou falar um pouco deles nesse espaço. Até porque vou começar a tratar do assunto BRANDING. E para isso é muito importante conhecer esse texto abaixo, retirada do livro da empresa Fight Gravity, que é a introdução à metodologia proprietária da BRANDIA, denominada Elevation System.

Conceitos são patinhos feios. São também os instrumentos do cérebro mais subvalorizados de toda a História. Mudam a nossa forma de pensar, mudam o nosso mundo, mas depois vem as idéias, aplicam os conceitos à prática e ficam com os créditos.

Só assim se explica que existam milhares de ensaios, documentários, artigos, filmes, livros, sobre o poder das idéias e nenhum único sobre o poder dos conceitos.

Aliás, a diferença entre idéias e conceitos é algo que a maioria das pessoas tem dificuldade em distinguir. O arado é uma excelente idéia, mas não teria prosperado sem o conceito de agricultura, assim como as idéias de semear cereais e domesticar animais. O tribunal é uma idéia genial, mas seria inútil sem o conceito de justiça. O voto e o parlamento são idéias brilhantes, mas não se teriam propagado sem o conceito de democracia.

Os conceitos têm o azar de viver no mundo da abstração. As idéias têm a sorte de fazerem a ponte entre o mundo abstrato e o mundo concreto. Vão buscar a inspiração aos conceitos, descem à terra, chamam a atenção e ficam com os louros. Toda a gente fala da invenção da roda e da descoberta da pólvora, como exemplos do gênio humano, mas são poucos os que se referem à “invenção do progresso”, ou à “descoberta do zero”.

E é fácil perceber por quê: a roda vê-se, a pólvora vê-se, o zero é invisível e o progresso idem. Mesmo que a vantagem competitiva da nossa espécie tenha sido um cérebro topo de gama, ainda continuamos a dar preferência a tudo que nos chega através dos sentidos. Se não vemos, não cheiramos, não tocamos, não ouvimos, não saboreamos, desconfiamos.

As idéias são fundamentais, mas são filhas únicas. Os conceitos, pelo contrário, são maternidades de idéias.

Branding é conceito. Comunicação é idéia. Ambas são importantes. Mas cada uma no seu devido lugar. Branding pensa, Comunicação age. Voltarei ao tema.

PS.: queria registrar aqui meu respeito e meu carinho profissional a todo time da Brandia Central que conheci em Lisboa e, em especial, a seus dirigentes Rui Trigo e Miguel Santos.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s